Manchas da onda verde

Se você não sabe em quem vai votar, provavelmente votará em Marina Silva. A impressão é de que todo mundo vai votar nela. De uma hora para outra parece que as pessoas descobriram que existe uma “terceira via”. Uma das coisas que me questiono é se essas pessoas realmente vão votar nela porque concordam com as suas posições e projetos ou se é porque simplesmente não tem mais ninguém em quem votar.

Marina Silva claramente é uma pessoa inteligente e capacitada, mas e quanto às ideias dela? A candidata do PV defende um plebiscito para as questões do aborto e células troncoembrionárias alegando que a população brasileira tem maturidade para discutir o assunto. Por outro lado, ela também diz que a educação se encontra num estado deplorável. Isso me parece bastante contraditório. Duvido muito que, com o nível educacional dos últimos 30 anos, tenhamos uma população com maturidade para discutir essas questões. Basta ver o que aconteceu com o referendo sobre o desarmamento.

Especificamente sobre o aborto, Marina Silva trata a questão de maneira tendenciosa. Em um dos debates, ela disse que essa questão envolve aspectos “espirituais” que devem ser debatidos. Essa é uma opinião condizente com a formação conservadora da candidata. A opinião é legítima, mas difícil de concordar. Penso que o ministro saúde, José Gomes Temporão, possui uma opinião mais sensata. Segundo ele, a descriminalização do aborto deve ser tratada como uma questão de saúde pública. O aspecto religioso é sim muito importante na nossa sociedade. Entretanto, vale lembrar que o estado é laico e as políticas públicas não devem favorecer nenhuma corrente religiosa, ainda que seja a corrente majoritária.

As pessoas finalmente descobriram Marina Silva, mas será que elas descobriram o Partido Verde? Dos muitos que agora votarão nela, a esmagadora maioria certamente não votará em um deputado federal do PV. Portanto, já que o partido não tem uma coligação, então com quem governará? Será muito difícil obter representabilidade e governabilidade num governo de um só partido. Marina se diz a pessoa capaz de unir PSDB e PT, mas já sabemos que ela perdeu uma grande oportunidade, já que estava no PT e preferiu se filiar ao PV em vez de ser fiel e lutar para modificar o que há de errado no seu antigo partido. Assim como Lula não era novidade, ela também não é. Assim como o PSDB abriga Álvaro Dias e o PT abriga José Dirceu, o PV abriga políticos de intenções contestáveis como Fernando Gabeira e “Doutor” Antônio Roberto.

Nem de longe Marina Silva é um desastre, mas também não é a salvadora da pátria, muito menos representa uma grande mudança de pensamento.

A bananice do voto nulo

Volta e meia vejo alguém recomendando o voto nulo, seja nessas eleições ou em qualquer outra. Particularmente, não vejo qual objetivo essas pessoas estão tentando atingir. É do conhecimento geral que no Brasil apenas são levados em conta os votos válidos, ou seja, votos nulos e brancos são excluídos da conta. É bem provável que a urna eletrônica sequer conte o voto nulo. Portanto, quem pensa em votar nulo para “protestar” está fazendo algo completamente inútil, já que no final das contas nunca ficamos sabendo exatamente quantos votos foram anulados. Mesmo que a urna contabilizasse isso, não faria muita diferença, pois a nossa legislação eleitoral não estipula nenhum limite máximo de votos nulos para que haja novas eleições ou algo assim. Na prática, se todo mundo anular o voto e eu escolher um candidato, então ele será eleito.

Outras pessoas dizem que anulam o voto porque não querem ter a responsabilidade de escolher alguém ruim. Isso é pior ainda. É basicamente tirar o corpo fora para se isentar de qualquer cobrança depois. Além disso, elas não tem o trabalho de procurar se informar. É muito cômodo e intelectualmente desonesto.

Se você acha um absurdo ter que comparecer à seção eleitoral, então pelo menos vá lá e vote em um candidato a favor do voto facultativo. Quem sabe nas próximas eleições você possa ficar em casa dormindo. Apoiar o voto facultativo com um limite máximo de abstenção é totalmente legítimo e objetivo. A bananice está em se isentar em um sistema que ignora o direito de não escolher, deixando que outros escolham por você. Ainda vale a pena lembrar que há pouco tempo vivíamos sob uma ditadura e muitos foram mortos e torturados defendendo as liberdades que temos hoje. A democracia não é para impedir que os ruins ganhem, mas sim para evitar que eles fiquem no poder para sempre.