Dissertation Reflections: Open Budget Data and Society

Over the course of my master’s research – entitled Bringing Public Budgets Closer to Citizens: An Engagement Challenge for Open Data – some people asked me to share the findings later on. So I would like to use this blog post as an opportunity to write more informally about what I have found and concluded. However, before I get to the findings I would like to provide some background information first.

I came from an open source software background and my interest in the impact of technology in society took me to a master’s program in Digital Culture & Society at King’s College London. In addition, I have always been interested in macroeconomics and its effects on our daily lives. When the time to decide my dissertation topic came, I had no doubt about mixing all those different interests. After some preliminary investigation I decided to research about open budget data, a topic that I was already following closely for a few years. I was already acquainted to this particular area of knowledge due to my involvement with open source software and my master’s module choices were naturally pointing to that direction as well. In fact it was the perfect opportunity to dive deeper.

The research idea came from the following question: are open budget initiatives really capable of improving citizen awareness about government expending and trigger greater engagement on public finances? In order to answer that question, three initiatives that make use of open budget data were chosen as case studies: OpenSpending, an international initiative led by the Open Knowledge Foundation (OKFN) which features a wide community that develops and provides a web infrastructure to publish budgets online; BudgIT, a Nigerian project that comprehends a website, a mobile app and a strong social media presence; Aos Fatos, a Brazilian fact-checking initiative which frequently analyses what politicians state about the country’s budget affairs, checking their speeches against data publicly available and giving a final verdict published on their own website.

OpendataAlright, now let’s get to the point! Here it is what the research has found:

  • Projects such as OpenSpending that aim to provide an easy to use framework through which citizens can publish open budget data still need to lower barriers for contributions. OpenSpeding is built by a technical community of developers and open budget enthusiasts that can potentially engage with the average citizen who is interested in knowing more about their government’s budget. Nonetheless, it is an ongoing challenge to engage citizens who are not academically or professionally involved with public finances.
  • The OpenSpending Next project, currently under development, is a clear step towards the goal of engaging more people. It will certainly contribute to make open budgets more accessible worldwide by facilitating data upload and sharing.
  • In order to reach a wider audience, community managers should build a stronger presence on social media. Although OpenSpending has a worldwide reach, the project is not very active on Facebook and Twitter, triggering lower engagement if compared to initiatives such as BudgIT. The Nigerian initiative is highly successful in its communication strategy via social media which is characterized by the use of simple info-graphics and timely status updates.
  • Access to open budget data in developing countries such as Nigeria is constrained to the portion of population that has access to the Internet. This usually represents a low to moderate penetration potential for open budget data initiatives as the Internet penetration itself is frequently less than 50% of the overall population in developing countries.
  • The audience of open budget initiatives recognizes the valuable contribution of the information provided also expressing that they would like to see the same content shared on mainstream media in order to amplify the reach of the data disclosed.
  • In addition, the audience suggests that regional characteristics should be taken into account by the initiatives. For instance by providing info-graphics and information translated into major local dialects.
  • The availability of open budget data has been very important to the rise of fact-checking initiatives such as Aos Fatos. The diversification of open data sources has enabled faster verification and increased reliability.
  • Fact-checking projects are seen by their audience as an instrument capable of filtering the huge amount of noise that exists on the Internet regarding the political discourse around certain topics.
  • One particular feature that singles fact-checking out is the use of journalistic stories along with data. For instance, in addition to an info-graphic, fact-checking initiatives also present a comprehensive contextualization of that particular topic thus telling the story behind the charts.
  • The journalistic approach towards data contributes to the audience understanding and has impacts on their engagement on social media. However, interviewees reflected that fact-checking by itself is not capable of engaging citizens to put pressure on politicians and decision makers. Such actions are beyond the scope of fact checking thus leaving this kind of practice to other initiatives focused on community mobilization.
  • Moreover, data gathered from Aos Fatos social media accounts indicate that the audience is very interested in sharing their content but only a small portion of them comment on the original posts. Instead of discussing with a larger audience on the social media official account, people seem to be more interested in sharing the content among their own group of friends or followers thus fostering the discussion between closer people.

In conclusion, the research shows that there are a variety of civil society led initiatives using open budget data using different approaches. However, there are three central conclusions that stand out from the overall analysis of them. Firstly, the organization of communities around open data highlights the fundamental importance of tackling the lack of Internet access in many regions of world so that open data can reach a wider audience. Building data and communication infrastructures is crucial to civic participation. Secondly, governments should heavily invest in data literacy through both, traditional education systems and citizen led initiates such as School of Data. Proper access to education is a must since, in addition to have access to data, citizens should be able to make sense of it. Lastly, initiatives that make use of open budget data are on the right path towards citizen engagement. However, they still need to improve their community and communication strategies to be really capable of engaging citizens at large. The connection between open budget data and the wider audience is fairly recent and it is an ongoing work. Projects and citizens will build and improve openness together. That is the way forward.

9th CONTECSI – Event Report

Last week took place in São Paulo the 9th International Conference on Information Systems and Technology Management. My mission: present my paper named “The Effect Of Collaboration On Knowledge Creation And Production Of Goods”. For further information about the paper take a look at my previous post about the event.

It was the my first time I attended to an academic conference and was an interesting experience to talk about the open source way in such kind of event. Another interesting aspect of that conference is its interdisciplinary characteristic, less focused on code and technical aspects, and more focused on management, business, education and the impact of technology on different areas. I believe it was a good conference to publish the paper due to those characteristics and more important than that: an excellent place to talk about the open source way.

Open source is well established in many universities in Brazil. Several universities have labs exclusively to deal with open source software. That is great, but when it comes to community management, process transparency and the open source way of making business the academic sector in general is not aware of the benefits of those approaches. Therefore was nice to have the paper published on a conference like that and to go there and talk about all that exiting stuff. Plus: São Paulo is an awesome city!

9th CONTECSI

Almost everything is set to the International Conference on Information Systems and Technology Management (CONTECSI), the first event I will attend this year. This conference will take place in the University of São Paulo and will be groundbreaking for me because it is mostly an academic conference, unlike the open source events I have been attending during the previous years.

At this event I will present a paper based on my final graduation monograph entitled “The Effect Of Collaboration On Knowledge Creation And Production Of Goods”. You can check the original paper in Portuguese on a previous blog post I wrote last year or, as you may prefer, the sneak peek written in English.

Although this is not an open source event, the paper is heavily related to the open source way of producing knowledge and software. My own experience being part of Fedora community was crucial to understand how collaboration works in a global level and I am glad that I was able to use Fedora as one of the successful projects studied for the paper. I am really thankful for everything this community taught me and I would like thank the former Fedora Project Leader, Jared Smith, for giving me a short interview for the paper. In addition I would like to thank my employers at Strema for enabling me to attend to CONTECSI and the co-writers for supporting the paper concept.

We are just starting our engines. FLISol, FUDCon Margarita, FISL, and Latinoware are on the horizon as well.

Universidade: além do ensino

Antes de tudo, se você procura alguma crítica, esse não é o post certo. Este é o certo. Agora é hora de assoprar.

Difícil dizer qual foi a melhor parte da faculdade. Não por falta de opções, mas sim pela grande quantidade de coisas legais que aconteceram nesse período. Essas coisas envolvem pessoas totalmente excelentes com as quais tive oportunidade de conviver em diferentes contextos nos último 5 anos. Dizem que a faculdade é a melhor parte da vida de qualquer pessoa e que as amizades feitas lá você leva para a vida toda. Embora eu ache que a vida dá para ficar bem melhor depois da faculdade, as amizades feitas eu faço questão de manter pelo tempo mais longo possível. A vida acadêmica permite situações nas quais você pode ver quem é quem sob várias perspectivas e talvez por isso seja possível se identificar bem com algumas pessoas.

Tive a oportunidade de conviver com pessoas de personalidades bem diferentes, mas extremamente inteligentes cada uma ao seu modo. Pessoas com níveis de engajamento e comprometimento distintos, mas que nunca deixaram ninguém na mão. As mesmas pessoas que, não por coincidência, foram amigas e presentes durante a graduação. Umas vieram desde o cursinho, outras conheci nos primeiros períodos e outras entraram no barco bem mais para o final. Não importa. O tempo é o de menos. E o que não me surpreende é que essas pessoas continuam me levando a outras novas pessoas igualmente excelentes. Grandes pessoas trazem grandes pessoas. É assim que tem que funcionar ou então não vale a pena.

Certamente o conhecimento técnico aprendido na universidade não foi tão importante quanto o aprendizado de como passar por várias dificuldades ao mesmo tempo, como gerenciar o tempo, como não desistir, como buscar ajuda, como ser ajudado, como trabalhar sob pressão e como ampliar os próprios limites. Apesar de todos os problemas, uma universidade pública como a UFMG traz experiências que dificilmente a pessoa teria em uma faculdade menor. E não estou me referindo à qualidade de ensino, mas sim ao tamanho, à natureza pública e à diversidade encontrada em uma instituição federal.

Na minha área há quem diga que tirar meia dúzia de certificados e fazer um par de cursos aleatórios é o suficiente para proporcionar uma vida tão boa ou melhor que a de quem se forma em uma universidade. Eu não concordo e esse nem é o ponto. Cursar uma universidade “de verdade” não é uma experiência trivial e não é qualquer um que aproveita bem essa experiência. Vale a pena não só pelo conhecimento, mas principalmente por outros aspectos que são proporcionados antes, durante e, acredite, depois do curso. Porque, ao contrário do que dizem, o depois pode ser melhor. Bem melhor.

Bagunça pública universitária

Eu provavelmente poderia esquecer tudo o que vou escrever aqui, começar a dizer que a minha graduação foi uma maravilha e que tudo foi perfeito. Isso seria desonesto por um motivo muito simples: não foi. De fato, o curso foi muito bom e estou convencido que em Minas Gerais não há universidade melhor que a UFMG na minha área. O problema é que isso não é o suficiente. A educação no Brasil é uma bagunça e ser melhor do que a média não quer dizer muita coisa.

Como toda instituição pública, a UFMG tem sérios problemas de burocracia, desorganização e falta de comprometimento dos seus profissionais. Sobre este último ponto, não posso deixar de exemplificar o  comprometimento de alguns professores. Durante a minha graduação houve um professor que deu aula para vários colegas meus e simplesmente não foi dar a prova final. Sim, ele esqueceu e não deu satisfação. Isso chegou a acontecer comigo também, mas felizmente meu professor teve a hombridade de aparecer e explicar porque não pôde aplicar a prova. Houve professor também reprovando 90% da turna e depois expulsando dos alunos da sala dele. Fora professor que já deu aula descalço e outro que apresentava slides com erros grotescos de português.

E claro, tem a palhaçada dos próprios alunos. Sinceramente não dou a mínima para como os outros levam a vida acadêmica deles desde que não prejudiquem outras pessoas. O problema é quando alguém tem que fazer alguma coisa, não faz ou faz mal feito, e acaba prejudicando quem não tem nada a ver com isso. Prejudicar os outros nada mais é que desonestidade e falta de caráter. Outro aspecto importante é que tem muita gente que quer estudar em faculdade pública sem que haja um preço. Gente que reclamava que tinha que pagar 200 reais por ano para a FUMP. Nem de longe o modelo da FUMP é o melhor, mas chegaram a falar que a Fundação estava tendo lucro com o dinheiro que era pago, o que simplesmente é ignorar que ela precisa ter dinheiro disponível para atingir seus objetivos no longo prazo, mesmo sendo uma instituição sem fins lucrativos, ou seja, nem é lucro. Não sei de onde os DCEs da vida tiraram isso.

Os pior é que a qualidade dos professores e alunos é o menor dos problemas. Há excelentes professores na UFMG e na minha opinião eles são maioria. Há professores e alunos bons e ruins em todas as instituições, cada um com seu estilo, o que garante a diversidade. O problema real é a desorganização. Uma vez, por exemplo, mudaram o horário de uma disciplina já com ela em curso. O resultado? Tive que fazer duas matérias ao mesmo tempo. Isso mesmo, duas matérias no mesmo horário. Outro fato relevante que não se passou comigo, mas que demonstra a desorganização, é que certa vez o colegiado cometeu um erro ao fazer a requisição de uma matéria para outro departamento. No final das contas a matéria não estava disponível para matrícula e ficou assim o semestre inteiro. Isso sem falar na dificuldade para fazer matrícula em matérias eletivas e optativas. Já fiz matrícula em uma disciplina optativa e foi aceita normalmente. Um tempo depois minha matrícula nessa mesma matéria foi sumariamente cancelada. Disseram que acabaram decidindo que ela seria apenas para a pós-graduação. Na teoria, a ideia de diversificar a grade é muito boa, entretanto é mal implementada. É difícil conseguir vagas, é necessário fazer uma pré-pré-matrícula a parte e não é claro como fazer para obter uma formação complementar. Ainda há uma série de assimetrias como a demora na contratação de professores levando a longos períodos sem aula, falta de estacionamentos e segurança deficiente no campus.

Não tenho dúvida que as universidades públicas do Brasil ainda são, no geral, melhores que as particulares e que isso continuará por um bom tempo. A questão é que os problemas mais graves não dependem de dinheiro para serem solucionados e não são relativos à qualidade dos alunos ou professores. Esses problemas simplesmente não têm a atenção devida, seja por falta de vontade para resolver, comodismo ou pura falta de visão.

Monografia: O Efeito da Colaboratividade na Produção dos Bens e na Construção do Conhecimento

Há alguns dias me perguntaram se eu iria publicar a minha monografia e eu respondi brincando: “Vou publicar no meu blog”. Como toda brincadeira tem um fundo de verdade e como algumas pessoas que ouviram minha entrevista no Castálio Podcast me perguntaram sobre, resolvi publicar o arquivo aqui para quem, por ventura, se interessar. Cito o resumo como uma prévia do documento:

Neste trabalhado são apresentadas diferentes formas de colaboratividade em grande escala sob a ótica da tecnologia, biomedicina, mobilização social e economia. Por meio de um estudo do histórico da colaboratividade é demonstrada a importância de acontecimentos como a evolução da imprensa, a Segunda Guerra Mundial e o pós-guerra e a revolução digital do fim do século XX e início do século XXI. São analisadas as atividades, estruturas de organização e evolução de projetos colaborativos geograficamente dispersos e culturalmente diversos, como projetos de Software Livre e Código Aberto, o Projeto Genoma Humano, a organização não governamental Navdanya International e o modelo de negócios da empresa Amazon. A partir da análise dessas diversas formas de colaboratividade são avaliados os impactos tecnológicos, econômicos e sociais na produção dos bens e na construção do conhecimento. Por fim, com base nos aspectos aferidos no estudo, são determinados elementos chaves necessários para a viabilização de projetos colaborativos globais que possam usar a tecnologia a seu favor e consequentemente atingir seus objetivos.

Final graduation paper sneak peek

Classes at the university are now over and final paper is done. While I wait for the graduation ceremony it’s time to share some results of my research. Basically the paper is about the collaborative environment provided by the Internet era. Four different areas of knowledge were analyzed: information technology represented by FLOSS projects, biomedicine represented by the Human Genome Project, social mobilization represented by the NGO Navdanya International and economy represented by Amazon’s business model. Based on the study of organizational structures, ways of communication and evolution of those initiatives, the technological, economical and social impacts of collaboration were analysed. In addition, key aspects for the success of culturally diverse and geographically disperse collaborative projects were identified. Here is a summary:

  • Transparency: under two aspects. First: clear and public decisions. Second: open and broad communication, not only of decisions made but also of problems, accomplishments and general useful information. It’s important to state that transparency does not prevent misinterpretation or allegations of lack of information. On the other hand, transparency does help to provide crucial information for organizational/financial matters and to support current and future decisions.
  • Knowledge of legal context: global projects tend to act over different jurisdictions and all stakeholders should be aware of that. Contributors should be constantly informed of legal differences between states and countries. For instance, the patent systems in some countries represent a big issue here.
  • Conscience of cultural differences: participants should be aware that language and cultural differences might bring some asymmetries to communication. Even so, those differences must not prevent people from communicate and work together. Community organizers should be aware that societies from all over the world might have different interpretations of values such transparency and democracy.
  • Open and proper infrastructure: collaboration initiatives should provide the tools for contributors to work on whatever is necessary. In addition, the infrastructure should be extensive in order to enable contributors to create new tools from the ones that already exist. Internationalization support is crucial for this element as well as information systems capable of provide high quality communication and minimize information dispersion.
  • Face to face meetings: one thing common to the projects evaluated is that all of them foster face to face contacts. In big projects is hard to get everyone together, but conferences, workshops and training sessions, at least for key contributors, help to build trust and sense of community.
  • Creation of value: collaboration projects should create value for contributors, whether they are companies, volunteers, paid employees, universities or government agencies. The value created can be knowledge, a product, meritocratic recognition, personal satisfaction or even financial results. It’s important that contributors know what they can achieve depending of their level and area of collaboration.

Well, the paper has a lot more information and this is just a tiny part I wanted to share here. I’ll publish the complete document here but it is written in Portuguese, so I hope you have enjoyed this sneak peek in English!

As 63 frases que marcaram a minha graduação

Revivendo uma ideia do meu antigo blog, aqui está o resultado da minha luta psicológica para encontrar uma epígrafe para a minha monografia. Infelizmente, dentre tantas frases geniais, só posso escolher uma. Nesse processo, foi Impossível não recordar as várias frases que marcaram a minha graduação em fim iminente. São tantas que não espero que ninguém chegue ao final. Aí vão elas:

“Dá lucro? (Aplausos)” – Fera

“Roda o PDCA.” Roncalli

“Como diria lá na escola: ‘De todos os pontos ele não tem nenhum.'” – DMF sobre Roncalli

“Pirex!!!” – Marina me chamando

“Como diria lá na escola: ‘Ou é pangaré ou é cavalo de corrida.'” – DMF sobre candidatos a vagas de emprego

“…” – Cara de Default mudo sobre um furador de ovo

“E agora? E agora? E agora? E agora? E agora? E agora?” – Minininho enchendo o saco

“Meu coração quase parou!” – Fera descrevendo a correção de uma de suas provas

“Sinal amarelo!” – Pequeno Pato

“Como diria Chico Buarque de Holanda: ‘E agora José?'” – DMF sobre o poema de Carlos Drummond de Andrade

“Pirecolino!!!” – Marina me chamando

“Ultimamente não tenho dado nem pro meu marido.” – EP quando retoricamente perguntada se poderia dar alguma questão da prova antecipadamente

“Não.” – Cara de Default quando perguntado se lembrava de mim duas horas depois de me ver na sala.

“Como assim ele não lembra de você?” – Mex sobre a frase acima, atônito com a amnésia instantânea

“Sinal vermelho!” – Pequeno Pato

“Não me venha com chorumelas!” – Marina, vindo a mim com chorumelas

“É bater o martelo.” – DMF sobre?

“Onde estão as suas duas esposas?” – Daniel sobre uma época em que eu tinha duas esposas

“Aoshi Maaaaacho” – Osório sobre o Maaaaacho

“Pra mim você não existe.” – Lula

“MAS É COMPROVADAMENTE NP-COMPLETO? COMPROVADAMENTE? COMPROVADAMENTE? – NP-Completo sobre NP-Completo

“MAS COMO ASSIM EU NÃO POSSO TER UM NOTEBOOK QUÂNTICO?” – NP-Completo revoltado com seu sonho distante de consumo

“Porra, Igor. Para de viajar!” – Mex sobre mim

“Pirudo!!!” – Marina me chamando. Essa eu deixo aberta a interpretações.

“Faz sentido isso?” – Pequeno Pato sobre o que nunca fez sentido

“De 10 a 20.” – Osório quando perguntado retoricamente sobre quantos milímetros iriam chover. Sim, ele sabia.

“Você não acha que as pessoas podem mudar?” – Senhora Default tentando justificar o injustificável sobre Cara de Default.

“…” – Cara de Default depois de ser epicamente trollado pelo Lula, provando que as pessoas podem mudar sim. Para pior.

“Tem que seguir o processo.” – CIP sobre todas as coisas do mundo

“Volta na definição.” – JM sobre todas as dúvidas do mundo

“Pirequinho!!!” – Marina me chamando

“Deixar dois aqui.” – Osório pagando as dívidas

“Epígrafes são demasiadamente piegas.” – Bruna agora mesmo no meu Facebook

“Você é um reclamão!” – Outro JM, esse armado com um guarda-chuva

“Eu achei que era comigo.” – Cara no ponto de ônibus ao achar que era pra ele o tchau que era pra mim

“Eu programo em .NET desde 2002.” – Cara de Default, mostrando que o programador e a linguagem se merecem

“Então me envia o seu currículo.” – NP-Completo para Cara de Default, mostrando que as pessoas se merecem

“É… não dá mais pra mim.” – Roncalli constatando o óbvio

“Eu já sabia.” – DSMS sobre cômicas revelações

“Igorino!!!” – Marina me chamando

“CÊ TÁ LOUCO?” – Alberta assustando outra mulher

“XMLiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii” – Freddie Mercury Prateado

“Uma árvore caiu em cima do seu carro? E o que eu posso fazer?” – MJ no telefone no meio da aula

“Você nunca vai esquecer disso?” – Bruna sobre a minha pior e única ida ao CEU, pela qual eu a culpo até hoje e seguirei culpando.

“Essa é a Lei de Gérson.” – DMF sobre o Brasil.

“Não tem como ele correr atrás de mim.” – Aparecido, antes de roubar uma lista exercício do monitor deficiente. É, pois é, Lei de Gérson.

“Pirão!!!” – Marina me chamando

“Cê tá aí né?” – Osório diariamente

“Eu sou assexuado.” – Shiryu

“Proibida a entrada de alunos.” – Frase na porta do colegiado

“Nossa, mas você hein. Sai de perto de mim.” – DSMS sobre meu azar potencialmente contagioso.

“Não acredito que você fez isso comigo!” – Marina depois de eu ter prometido um pedaço do chocolate e posteriormente tê-lo comido todo

“Igor!!!” – Marina me chamando no momento de raiva

“Pilantra!!!” – Marina reforçando o ponto

“Vocês sabiam que o gosto amargo do chocolate tem relação com o teor de cacau?” – Dudu

“CLARO QUE EU SEI!” – Aparecido respondendo à pergunta acima

“Meu pai era mafioso.” – DMF sobre suas origens

“Tenho certeza que é você quem escreve isso.” – Bruna me acusando de ser a identidade secreta do Cão da Depressão

“Pirado!!!” – Marina me chamando

“Arlei!” – Harlley corrigindo o professor sobre a pronúncia do nome dele pela 123ª vez na vida

“Você não tem cara de quem trabalha.” – Marina sobre o vagabundo que escreve mais de 60 frases no blog, mesmo antes dele ter feito isso

“Fica assim então.” – Osório diariamente

“Como diria Juca Chaves: ‘Tchau'” – DMF

Atualização: parem de ficar me lembrando e dando ideias! Eram 57 frases e já estamos em 63! :)

#MonografiaFeelings

Quando eu criei esse blog adicionei uma categoria chamada “UFMG” e quando precisei “reinstalá-lo” mantive a categoria aqui. Fato é que ela nunca foi usada, provavelmente por falta de tempo, já que depois de quase 5 anos (cof… cof…) na universidade, haveria muito o que publicar. Agora é hora de começar a trabalhar na monografia e essa categoria finalmente pode ser útil.

Embora a ideia ainda não esteja completamente fechada, o objetivo é estudar a alta colaboratividade que a Internet permite e os efeitos disso na produção dos bens e na construção do conhecimento. Não faltam exemplos de projetos que tiram proveito da grande conectividade e da rápida troca de informações que a tecnologia atual permite. O exemplo mais óbvio, do qual eu também faço parte, é a produção de softwares de código aberto. Entretanto, minha ideia central é levar essa questão para outros níveis e áreas como biomedicina, agricultura, economia e engenharia, analisando as diferenças e similaridades entre os processos colaborativos de cada um. O resultado final será a criação um modelo geral com as características que um projeto colaborativo deve ter para ser bem sucedido.

Eu percebo que muitas pessoas optam por monografias estritamente técnicas, mas não tenho interesse em me perder nas tecnicalidades do mundo da computação. Especificamente para a monografia, pretendo tratar o assunto de uma maneira ampla, considerando as diversas áreas conhecimento, em vez de olhar de maneira fechada para a minha área específica. Isso quer dizer basicamente que precisarei de colaborações de pessoas de várias áreas, então se você conhece algum projeto colaborativo geograficamente disperso e culturalmente diverso na sua área, você será de grande ajuda! :)